DIRETOR ARTÍSTICO

Pesquisador e músico, leciona História da música na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma e colabora com o projeto Musica Sapienza na Sapienza Università de Roma. É curador do Concurso Internacional de Música barroca e Estudos musicológicos ‘Principe Francesco Maria Ruspoli’ e das Miscellanea Ruspoli. Studi sulla musica dell’età barocca (LIM, Lucca). A partir de 2014 é responsável pelo primeiro Prêmio de Estudos musicológicos Euro-Latino-Americanos. Pesquisou e publicou estudos nos âmbitos da estética da interpretação musical, da história dos conceitos musicais e da história da musica – os trovadores, a música quinhentista, a música em Roma no século XIX, a música antiga nos séculos XIX e XX, as relações entre a música da Europa e da América Latina.  Além de apresentar conferências e aulas a convite na Europa e na América Latina, coordenou a publicação de Canto ‘popolare’ e canto corale (Feniarco, 2008) e de Musici e istituzioni musicali a Roma e nello Stato pontificio nel tardo Rinascimento: attorno a Giovanni Maria Nanino (Società Tiburtina di Storia e d’Arte, 2008), colaborou na enciclopédia Il Medioevo sob coordenação de Umberto Eco (2009) e na Storia dei concetti musicali sob coordenação de Gianmmario Borio (2009). Escreveu artigos e ensaios, entre os quais Transmisión musical de un villancico de Luis de Camôes (Nuevas perspectivas en torno al villancico y géneros afines en el mundo ibérico – ss. XV-XIX, Reichenberger, em preparação), M’es belhs dous chans: Melody, metre and imagery in a ‘love verse’ of early troubadours (Text and Tune. On the Association of Music and Lyrics in Sung Verse, Peter Lang, 2015), Estilo italiano: las cantatas del Viejo y del Nuevo Mundo en la época colonial (Cuadernos de italianística cubana 22, 2015), Musica e Storia nelle missioni del Paraguay (Ignaziana 16, 2013), La questione del ‘barocco’ in musica (Miscellanea Ruspoli. Studi sulla musica dell’età barocca, LIM 2011), Barocco e Modernità. Bach secondo Adorno (Estetica 2005). Também é autor de alguns artigos sobre a música do Brasil (Heitor Villa-Lobos e os Tupinambás, 2013; A língua portuguesa em música no país do belcanto, 2012; Immaginario sonoro del Tropicalismo,  2007), é organizador de simpósios, festivais e concertos sobre música brasileira em Roma (“Heitor Villa-Lobos e l’Europa”, 2009; “Aquarela: canzoni tra Italia e Brasile”, 2010-2014).