Os Músicos de Capella, dirigidos pelo violinista barroco Luis Otávio Santos, é um grupo mantido pelo Centro Cultural Pró-Música de Juiz de Fora, em Minas Gerais. O conjunto trabalha com estudos de música “historicamente informada”, um movimento que busca a representação das obras da maneira similar em que foram concebidas na sua época. Para isso, realiza pesquisas musicológicas, quase um trabalho arqueológico, para recriar a interpretação musical da Idade Média, Renascimento e dos períodos barroco, clássico e romântico, usando, inclusive, instrumentos originais ou réplicas, que têm afinações e sonoridades diferenciadas das dos seus similares modernos. O termo Capella está ligado, como você deve imaginar à Igreja. Durante a Idade Média, a capela era o centro da vida musical: daí cantar “a capela” ou ser o “mestre de capela”, ou seja, aquele responsável pela música produzida na capela. Aos poucos, o termo ganhou um novo significado com a evolução da profissão de músico. A escolha do nome revela o seu desejo de recriar as práticas musicais do passado. Não se trata de voltar no tempo por “saudosismo”, mas para apresentar ao público “novas” sonoridades mesmo em obras que são velhas conhecidas.